Impasse logístico deixa produtores em alerta no Paraná

Atraso na entrega de fertilizantes abre dúvidas sobre o tempo hábil para o plantio da próxima safra. Problema também afeta comercialização

Os produtores rurais do Paraná estão com o sinal de alerta ligado em relação à entrega de insumos para o plantio da safra de verão 2018/19. A indefinição gerada com o tabelamento dos fretes, determinado pelo Governo Federal após a greve dos caminhoneiros, tem causado transtornos à logística do agronegócio estadual. O principal produto afetado é o fertilizante, fundamental para o bom desenvolvimento das lavouras. Apesar de muitos agricultores terem o adubo comprado, em muitos casos o produto ainda não chegou às regiões produtoras. A dúvida recaí sobre se haverá caminhões disponíveis para fazer os fretes antes do início da semeadura e a que preço.

Nelson Paludo, presidente da Comissão Técnica de Cereais, Fibras e Oleaginosas da FAEP e presidente do Sindicato Rural de Toledo, relata que o Oeste do Paraná tem enfrentado um problema que se repete em todas as regiões do Estado. Os produtores que já compraram os insumos, em especial fertilizantes, tinham como referência um valor de frete na hora de fechar negócio. Com o frete maior, abre-se um impasse. “Não se sabe como será feito esse ajuste dos valores, quem vai assumir a diferença. Se será a empresa ou haverá repasse ao produtor”, revela.

Ainda, o presidente da comissão detalha que as cooperativas do Oeste, com frota própria e/ou contratos com transportadoras, já tinham levado boa parte dos insumos às regiões produtoras. Resta saber se a parcela menor de produtores não vinculados a essas organizações irá conseguir o fertilizante no tempo do plantio, que começa em setembro. “Acredito que nossa região não será muito afetada porque as compras foram feitas em maio, pois há essa tradição de comprar com bastante antecedência. A expectativa é que o uso de insumos seja parecido com o de outros anos”, diz.

Deixe seu comentário:

Categoria: Notícias